quinta-feira, 25 de agosto de 2011

A SENSUALIDADE DE BRUNA LOMBARDI









Cio



Quero dormir com você ou pelo menos

Te dar um beijo na boca

O meu amor não tem pudor, nem acanhamento

Não tem paciência, não agüenta mais

A urgência do desejo

E eu te olho, te olho, te olho

Como se dissesse.



Penso, ele há de perceber, me encosto um pouco

Espero um gesto, um sinal, uma atitude

Que eu possa interpretar como uma resposta,

Uma indicação,

Mas você é um homem sério e continua

Se escondendo atrás dessas teorias

E nem te brilha no olho uma faísca de tentação.



Aí que aflição

Pensar no que eu faria

Se pudesse.



Desejo que não acontece

Fica parado no peito

Aí vira obsessão.



[Bruna Lombardi]
 
 
 
 
 
 






 
LUA


[Bruna Lombardi]



Ele me deitou nua em cima do calçamento

e eu sabia que era loucura

que era coisa de momento

pensei até que era a lua

danada noo quarto crescente

ou era fúria de maré

crescendo dentro da gente

e eu me sentia suada

e eu me sentia escura



mas não tinha medo de nada

que toda paixão da coragem

e me deitei na calçada

com orgulho e vadiagem

e quanto mais me sujava

mas me sentia à vontade

mais eu queria e deixava



mais eu pedia e mais dava

e ria, gemia e brincava

de ter tanta liberdade

eme me deitou na rua

numa qualquer de passagem

e eu sabia que era loucura

que era coisa de um momento

de grande camaradagem.
 
 
 
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário