domingo, 28 de setembro de 2008




Hoje quero deixar meu beijo de agradecimento a todos q por aqui passaram e pelas amizades q fiz. A partir de agora não estarei mais postando, por achar q meu blog não está à altura dos q conheço, não consigo idealizá-lo como eu sonhei.
Bjão pro Zé Carlos Manzano q o criou pra mim e eu não soube cuidar.Bju no seu coração, Helô e muito obrigada pelo selo q eu não soube usar. Qto à vc Aninha te amodoro e aos demais q não cito os nomes o meu carinho eterno.

Para quem quiser me reencontrar:_

http://fotolog.terra.com.br/faduar
http://recantodasletras.uol.com.br/autores/faduar
http://www.orkut.com/Main#Profile.aspx?rl=ls&uid=14267884335008518797

Obs:_SEMPRE Q PUDER PASSAREI PELOS SEUS MARAVILHOSOS CANTINHOS...

Bjão com muito carinho da f@

terça-feira, 23 de setembro de 2008





Enlevo (Flora Figueiredo)

Eu olho você grande e distante
e da sua grandeza me comovo
e da sua distância me revolto.
Olho de novo.
Procuro reter em minhas mãos sua figura
mas ela gesticula, oscila e cresce
e numa inconstância distraída
no instante exato
por trás da vida desaparece.
Um desacato.
Do meu desaponto eu me levanto
pra levar embora outro desencanto
mas você me divisa e então me chama.
Me aguarda, reclama e me convida
e minha vida nessa ansiedade por fim entrego.
E nesse amor feito de espuma colorida
nós flutuamos: você borbulha, eu escorrego,
ensaboados, você explode, eu me desintegro.

Florescência, Editora Nova Fronteira, 1987 - Rio de Janeiro, Brasil

quinta-feira, 18 de setembro de 2008




Retirada

Respeite o silêncio
a omissão,
a ausência.
É meu movimento de deserção.
Abandonei o posto,
rompi a corda,
desacreditei de tudo.
Cansei de esperar que finalmente um dia,
minha fotografia
fizesse jus ao seu criado-mudo.

Calçada de Verão, Editora Nova Fronteira – Rio de Janeiro, 1989

terça-feira, 16 de setembro de 2008



ULTRA-SOM

Transpassei seu lado
opaco,
como se fosse
completamente
transparente.
Não se sinta fraco se
o devassei.
Foi propositadamente.

Até a noite chegar,
já terei terminado de
alterar
sua coloração.
Qualquer um vai ser
então capaz
de divisar
o verdadeiro aspecto
e o lugar
do seu iantingível
coração.
(Flora Figueiredo)

sábado, 13 de setembro de 2008






Voa um par de andorinhas, fazendo verão.
E vem uma vontade de rasgar velhas cartas,
velhos poemas, velhas contas recebidas.
Vontade de mudar de camisa,
por fora e por dentro... vontade...
Para quê esse pudor de certas palavras?
Vontade de amar, simplesmente.

Mario Quintana

quarta-feira, 10 de setembro de 2008




VOCE E ESPECIAL!!!!!
Amigo é aquele que não tem rosto, tem sentimento.
Amigo é aquele que não tem raça, tem coração.
Amigo é aquele que não tem preconceito e, sim, mãos estendidas.
Amigo é aquele que não tem hora pois toda hora é hora.
Amigo não é visita, pois é sempre benvindo.
Amigo é aquele que nunca o esquece e sempre se alegra ao vê-lo.
Amigo é aquele que não tem rosto, tem sentimento.
Amigo é aquele que não tem raça, tem coração.
Amigo é aquele que não tem preconceito e, sim, mãos estendidas.
Amigo é aquele que não tem hora pois toda hora é hora.
Amigo não é visita, pois é sempre benvindo.
Amigo é aquele que nunca o esquece e sempre se alegra ao vê-lo.
Amigo é aquele que não tem rosto, tem sentimento.
Amigo é aquele que não tem raça, tem coração.
Amigo é aquele que não tem preconceito e, sim, mãos estendidas.
Amigo é aquele que não tem hora pois toda hora é hora.
Amigo não é visita, pois é sempre benvindo.
Amigo é aquele que nunca o esquece e sempre se alegra ao vê-lo.

segunda-feira, 8 de setembro de 2008



DERIVA

ESta foto exprime o momento de decepção e tristeza q sinto agora.

♠♠♠
Não consigo me recompor.
Não tenho para onde ir.
Um grito de socorro me aperta a garganta.
Não sei se quero viver, mas sou covarde para morrer.
FRagmentos, pedaços, partículas, estilhaços...eis o q restou de mim.
Quem sou eu? Para onde vou?
Fazer o quê?
...um navio sem leme e sem âncora.

texto by Fátima Duarte

domingo, 7 de setembro de 2008







O AMOR EXISTE E RESISTE ATÉ MESMO NOS CORAÇÕES DE QUEM JÁ PERDEU A RAZÃO.
No amor verdadeiro há lugar para as diferenças: os opostos que se atraem, o doce eo azedo, o Sol e a Lua, a razão e a emoção, qdo bem combinados resultam em misturas e sabores, texturas e aromas inigualáveis.
♠♠♠

Do pequeno livro do amor além da lenda.

sábado, 6 de setembro de 2008

quarta-feira, 3 de setembro de 2008

domingo, 31 de agosto de 2008


POR TI

Por ti eu viajo quilômetros
Pelo cio
Pelo mote
Por amor

Eu corro atrás de ti
Feito animais no cio
Porque tudo o que eu quero
É o teu amor

Teu cheiro tem química
Que me faz correr atrás
É tesão misturada com paixão
Que não sei mais o que faço

Só sei que te quero
Só sei que preciso
Porque em ti descarrego
Toda esta tesão...

Mário Feijó

quinta-feira, 28 de agosto de 2008





"Hoje, já não nos conhecemos.
Hoje, já não vemos nossos amigos.
Hoje, somos ambiente da rede.
Hoje, somos cidadãos do mundo.
Amamos a desconhecidos, somos palavras trocadas por fio.
Temos amigos, temos amor, temos a distância como amiga.
A tela como rosto, o teclado como voz.
Somos internautas.
Invisíveis, etéreos e sonhadores.
Somos anjos, somos monstros, somos tudo que queremos ser.
Amamos, brincamos e brigamos, sem nunca nos tocarmos,
somos ambiente da rede. Vamos a outros lares, sem invadir sua casa.
Somos amigos, somos amados!
Somos o ombro para o choro, somos a mão que ajuda e o teclado que ampara.
Somos tudo que queremos ser.
Somos ambiente da rede. Temos amigos pelo mundo,
pois todos paramos na mesma esquina.
MAS ACIMA DE TUDO, SOMOS CORAÇÕES, NÃO SOMOS MÁQUINAS,
SOMOS E SEMPRE SEREMOS, GENTE !!!"

--------------------------------------------------------------------------------

quarta-feira, 27 de agosto de 2008




COM A FRONTE VOLTADA PARA O CHÃO

Com a fronte voltada para o chão e o pensamento alto,
ia eu andando, andando,
e na senda do tempo
se lançava minha vida em busca de um desejo.
Junto ao caminho cinzento
vi uma vereda em flor
e uma rosa
cheia de luz, cheia de vida
e de dor.
Mulher, flor que se abre no jardim:
as rosas são como tua carne virgem,
com sua fragrância inefável e sutil
e sua nostalgia da tristeza.

1921 - Poemas Esparsos
Federico Gracía Lorca

sexta-feira, 15 de agosto de 2008



Cavalgada
Roberto Carlos
Composição: Roberto Carlos / Erasmo Carlos

Vou cavalgar por toda a noite
Por uma estrada colorida
Usar meus beijos como açoite
E a minha mão mais atrevida

Vou me agarrar aos seus cabelos
Pra não cair do seu galope
Vou atender aos meus apelos
Antes que o dia nos sufoque

Vou me perder de madrugada
Pra te encontrar no meu abraço
Depois de toda a cavalgada
Vou me deitar no seu cansaço

Sem me importar se neste instante
Sou dominado ou se domino
Vou me sentir como um gigante
Ou nada mais do que um menino

Estrelas mudam de lugar
Chegam mais perto só pra ver
E ainda brilham de manhã
Depois do nosso adormecer

E na grandeza deste instante
O amor cavalga sem saber
E na beleza desta hora
O sol espera pra nascer.

terça-feira, 12 de agosto de 2008



Se...
*
Se eu pudesse parar a minha vida
e dar a eternidade a um só momento,
- se eu não tivesse o meu destino preso
ao destino das coisas nos espaços...

Se eu pudesse destruir todas as leis
e dentro do Universo que se move
parar meu mundo,
- havia de escolher esse segundo
em que você estivesse nos meus braços!

**© J.G. de Araújo Jorge**

sábado, 9 de agosto de 2008




Para minha amiga do Blog Perlos caminhos da vida.
Aonda outro dia ela postou um poema q falava de caderninhos antigos, amarelados pelo tempo em que escrevíamos nossos poemas.
Eu lhe prometi, aqui está o meu amiga, com cerca de 30 aninhos.

quinta-feira, 7 de agosto de 2008






"Alma gêmea de minha alma...
flor de luz de minha vida....
Sublime estrela caída...
das belezas da amplidão
Quando eu errava no mundo...
triste e só, no meu caminho,
Chegaste, devagarinho,
E encheste-me o coração....
Vinhas na bênção das flores
Da divina claridade,
Tecer-me a felicidade
Em sorrisos de esplendor!!!
És meu tesouro infinito,
Juro-te eterna aliança,
Porque sou tua esperança,
Como és todo meu amor!
Alma gémea de minha alma,
Se eu te perder algum dia...
Serei tua escura agonia,
Da saudade nos seus véus...
Se um dia me abandonares,
Luz terna dos meus amores,
Hei de esperar-te, entre as flores
Da claridade dos céus."

Autor: (Emmanuel (psicografado por Chico Xavier)

quarta-feira, 6 de agosto de 2008

pétala

ImageChef.com - Custom comment codes for MySpace, Hi5, Friendster and more




Eu Não Existo Sem Você !
Para além da letra, a melodia !

Assim como o oceano
Só é belo com luar
Assim como a canção
Só tem razão se se cantar
Assim como uma nuvem
Só acontece se chover
Assim como o poeta
Só é grande se sofrer
Assim como viver
Sem ter amor não é viver
Não há você sem mim
E eu não existo sem você

( Tom - Vinícius )

segunda-feira, 4 de agosto de 2008


MULHERES DE PEDRA


Filhos da chuva
São filhos da natureza
Correm livres
Brincam na lama
Homens de barro
Mulheres de pedra
Eles quebram
Elas resistem...
Enquanto homens são eternos meninos
Mulheres tornam-se eternas guerreiras...
Eles abandonam
Elas lutam para criar seus filhos...
Lágrimas cobrem rostos
Feito chuva suave
Lavando as mágoas
Da imagem daquelas
Que na memória dos filhos da chuva
Para sempre serão eternas...

Mário Feijó

domingo, 3 de agosto de 2008



Angustia...
...Destilo saudades em copos vazios
Entre uma balada e um blues...
A corda quebrada do violão nega a nota
A letra da canção só tem teu nome......
Titulo e refrão. A melodia marulhada das ondas
Batem contra minha sanidadeComo a buscar lógica na loucura
Mordo o lábio, deslizo pela musicaDe meu respirar ofegante...
Teu cheiro me invade, inebrio-me...
Mágico perfume criado por alquimia
De algum boticário antigo......
Formula perdida no tempo.
O vinil na vitrola chega ao fim
Os músicos recolhem-se ao silencio
Lembranças ébrias de boemia
Insistem em mais uma contra-dança
A madrugada deita-se sobre a noite
Cobrindo-se com o alvorecer...
Na parede um calendário riscado
Marca menos um dia......
Na eterna ânsia de encontrar você.
(AlexSimas)

sábado, 2 de agosto de 2008

" A felicidade pode estar em preto e branco, no azul do céu, no laranja do por do sol. A cor não importa qdo ela brota do coração." by faduar

quarta-feira, 30 de julho de 2008


"Minhas fotos reproduzem o estado de minha alma." (Fátima Duarte ) _ 30/07/08

domingo, 27 de julho de 2008


O segredo é não correr atrás das borboletas... É cuidar do jardim para que elas venham até você.(Mário Quintana)!
♥♥♥
O que mata um jardim não é o abandono. O que mata um jardim é esse olhar de quem por ele passa indiferente[Mario Quintana]
♥♥♥

terça-feira, 15 de julho de 2008

"É que sinto falta de um silêncio. Eu era silenciosa.E agora me comunico, mesmo sem falar. Mas falta uma coisa. E vou tê-la. É uma espécie de liberdade, sempedir licença a ninguém."
( Clarice Lispector)

sábado, 5 de julho de 2008




UMA SÓ VEZ... É POUCO...
Mírian Warttusch

Só quero ouvir a tua voz, a me dizer “te amo”...
Se calem outras vozes pra que eu te possa ouvir.
Tua boca quente a sussurrar tão docemente,
“Te amo” “te amo” tu dizes até se exaurir...

O som de tua voz se amplifica e chega ao coração
Morrem todas as esperas... “te amo” eu também digo
Boca na boca tu a me dizer e eu a repetir... “
Te amo” “te amo”, estreito, aqui comigo..

Traduza este “eu te amo” num verso apaixonado...
Num íntimo conluio, declama o teu amor sem fim
E eu te sufocarei a voz num beijo extasiado...

Só coração batendo, estupefato, louco...
Na incontrolável ânsia de querer-te em mim... “
eu te amo” chega-te mais...uma só vez é pouco...

domingo, 22 de junho de 2008


Que me venha esse homem
Que me venha esse homem
Depois de alguma chuva
Que me prenda de tarde
Em sua teia de veludo
Que me fira com os olhos
E me penetre em tudo
Que me venha esse homem
De músculos exatos
Com um desejo agreste
Com um cheiro de mato
Que me prenda de noite
Em sua rede de braços
Que me venha com força
Com gosto de desbravar
Que me faça de mata
Pra percorrer devagar
Que me faça de rio
Pra se deixar naufragar
Que me salve esse homem
Com sua febre de fogo
Que me prenda no espaço
De seu passo mais louco
Que me venha esse homem
Que me arranque do sono
Que me venha esse homem
Que me machuque um pouco.

Bruna Lombardi

quinta-feira, 12 de junho de 2008

Soneto Do Amor Total_ Vinícius de Moraes.

Amo-te tanto meu amor...não cante
o humano coração com mais verdade...
Amote-te como amigo e como amante
Numa sempre diversa realidade.

Amo-te, a fim de um calmo amor prestante
E te amo além, prestado na saudade
Amo-te, enfim, com grande liberdade
Dentro da eternidade e a cada instante

Amo-te como um bicho, simplesmente
De um amor sem mistério e sem virtude
com um desejo maçiço e permente.

E de te amar muito e amiúde
É que um dia em teu corpo de
repente
Hei de te amar mais do que pude

♥♥♥
estado de graça*encontro de corações*razão de ser e de viver*frio na espinha*calor no coração*recados no espelho*borboletas no estômago*vagalumes nos olhos*asas de beija-flor na imaginação*simples*complexo*nos faz sentir leves,vivos,fazendo a vida valer a pena.
Feliz dia doa namorados!!!!!

sexta-feira, 6 de junho de 2008

foto montagem presente do amigo Zé Carlos Revelação

Sinto falta desses seus olhos
que desnudam meu corpo, sem tocar,
e que não escondem o brilho
do desejo ao me olhar.

Sinto falta dessa sua boca
que sabe se insinuar com malícia,
e despertar na minha todas primícias.

Sinto falta dessas suas mãos
que sabem como percorrer minha pele
e tocando esconderijos,
desvendam tudo aquilo que me impele.

Sinto falta dos seus abraços
que sabem me envolver e me puxar
pra bem junto de você
e me fazer, como louca, desejar.

Sinto falta do seu corpo,
que sabe despertar um sexto sentido,
neste meu corpo de fêmea,
que era, antes, adormecido.

Sinto falta do seu suor
em minha pele, exalando o odor
do seu ímpeto
pela consumação do nosso amor.

Sinto falta do seu sexo
que, maravilhosamente,
no meu se completa,
revelando ao mundo
minhas fantasias mais secretas.

Sinto falta do jeito que me seduz,
do modo como sabe dizer que me quer
porque é você e só você
quem me faz sentir...mulher.

Silvia Munhoz
14/04/2001
Texto: Direitos Autorais Reservados

quarta-feira, 4 de junho de 2008




Sou sensível
Sou romântica
Irresistível
Mas sou insegura
Perfeccionista
E organizada
Sou carente
Sou decente e poetiza
Sou sensual, sou feminina
Também sou complexada
Eu sou feia e sou sem graça
Quando não me sinto amada
Sou mandona
Sou chorona
Sou companheira
Sou passiva e submissa
Amante pra vida inteira
Sou vaidosa
Sou cheirosa
E dizem que sou gostosa
Sou simples
Sou necessária
Eu sou pedra preciosa!

( Desconheço o autor)

BJS

segunda-feira, 2 de junho de 2008




Ajuntei todas as pedras
que vieram sobre mim.
Levantei uma escada muito alta
e no alto subi.
Teci um tapete floreado
e no sonho me perdi.
Uma estrada,
um leito,
uma casa,
um companheiro.
Tudo de pedra.
Entre pedras
cresceu a minha poesia.
Minha vida...
Quebrando pedras
e plantando flores.
Entre pedras que me esmagavam
Levantei a pedra rude
dos meus versos.

(Cora Coralina)

segunda-feira, 26 de maio de 2008




CAVALGADA
(Roberto Carlos)

Vou cavalgar por toda a noite
Por uma estrada colorida
Usar meus beijos como açoite
E a minha mão mais atrevida

Vou me agarrar aos seus cabelos
Pra não cair do seu galope
Vou atender aos meus apelos
Antes que o dia nos sufoque

Vou me perder na madrugada
Pra me encontrar no seu abraço
Depois de toda cavalgada
Vou me deitar no seu cansaço

Sem me importar se neste instante
Sou dominado ou se domino
Vou me sentir como um gigante
Ou nada mais do que um menino

Estrelas mudam de lugar
Chegam mais perto só pra ver
E ainda brilham de manhã
Depois do nosso adormecer

E na grandeza deste instante
O amor cavalga sem saber
E na beleza desta hora .
O sol espera pra nascer.

sábado, 24 de maio de 2008



Brincando com os sons das palavras

enlaço com minhas coxas morenas
teus serenos ombros
estranho abraço

teço
nos fios dos teus cabelos
secretas tranças

danço
movendo a minha pélvis
contra o teu pescoço

canso
repouso sobre a cama
o torso umedecido

lançono
no espaço silencioso
e pálido meus gemidos
mansos são teus movimentos.

Nálu Nogueira

quarta-feira, 21 de maio de 2008

LUA

Ele me deitou nua em cima do calçamento
e eu sabia que era loucura
que era coisa de momento
pensei até que era a lua
danada no quarto crescente
ou era fúria de maré
crescendo dentro da gente
e eu me sentia suada
e eu me sentia escura
mas não tinha medo de nada
que toda paixão da coragem
e me deitei na calçada
com orgulho e vadiagem
e quanto mais me sujava
mas me sentia à vontade
mais eu queria e deixava
mais eu pedia e mais dava
e ria, gemia e brincava
de ter tanta liberdade
ele me deitou na rua
numa qualquer de passagem
e eu sabia que era loucura
que era coisa de um momento
de grande camaradagem.

terça-feira, 20 de maio de 2008

AUSÊNCIA


Por muito tempo achei que a ausência é falta.

E lastimava, ignorante, a falta.

Hoje, não a lastimo.

Não há falta na ausência.

A ausência é um estar em mim.

E sinto-a branca, tão apegada, aconchegada nos meus braços,

que rio e danço e invento exclamações alegres,

porque a ausência,essa ausência assimilada,

ninguém a rouba mais de mim.

Carlos Drummond de Andrade

sábado, 17 de maio de 2008

NÃO TE GOSTO EM SILÊNCIO
(J.G de Araújo Jorge)

Não te gosto em silencio porque te sinto distante...entre a tua boca e a palavra mora talvez minha angustia como entre o dia e a noitevacila a longa duvida do crepúsculo.Não te gosto em silencio,quando ha em teus olhos pousados,dois estranhos pássaros noturnos,e teus labios emudecem como a fonte nos ásperos e interminaveis invernos.Não te gosto em silencio quando te envolves com as coisasque te cercam, como se fosses uma delas,quando estás como as aguas paradas, cuja beleza é apenas o reflexo das estrelas.Por isso te provoco e te atiro perguntascomo pedras quebrando a impassividade do lago,como pancadas no gongo que estremece e vibra e te tráz à tona para mim.Não te gosto em silencio, porque parece que atrás de tua vozainda se esconde alguém que tu propria não conheces,alguem embuçado a ameaçar nosso sonhoe que so tuas palavras poderão expulsar.Não te gosto em silencio, porque preciso aindade tua palavrapara te descobrirlanterna adiante de meu passo, alvorada desenterrando na noite emaranhada meu indeciso caminho.Porque preciso ainda que a tua palavra chegue como um vento fortearrastando nuvens, limpando céus e horizontes,levando folhas doentes, te descobrindo ao sol...Um dia te gostarei em silencio. E então me recolherei em teu silencio,e procurarei a sombra, como um pássaro na hora da tarde,e porque o sol estará em nós e nada turvará meu pensamento,entre tua boca e a palavra haverá apenas um beijo.
♥♥♥

quinta-feira, 15 de maio de 2008

CHEGAR E FICAR


Chegar,
como a brisa que atravessa a janela.
Trazendo as alegrias ,
após atravessar procelas sombrias.

Chegar,
como o barco
soprando de leve,
as brumas do passado.

Chegar,
como a saudade.
Que bate ,
de manso, no coração.


Chegar
como a chuva , finhinha,
mansinha, criadeira,
necessária e tão querida.

Ficar,
nas lembranças do passado,
nas estampas do presente,
A retratar nosso ontem no hoje.

Ficar,
para sempre.
Na imagem nunca esquecida,
dos que nos são tão queridos.


A vida é chegar e ficar,
para sempre.
Vida nunca será partida.

Cecilia Meirelles in "Poesia Reunida"